Nos Pelos vales e montanhas mágicas

Cenário de vales e serras verdejantes, Aiuruoca é reconhecida pelo seu enorme potencial para o turismo. O município, que faz parte do circuito turístico Montanhas Mágicas de Minas e da Estrada Real, tem áreas preservadas no Parque Estadual do Papagaio, no famoso Vale do Matutu e uma grande parte de seu território integra a APA da Serra da Mantiqueira.

Reportagem Cacaio Six
Fotos Jean Yves Donnard


 
Aiuruoca, no tupi-guarani “casa de papagaio” (ajuru, papagaio; oca, casa), é uma bucólica cidadezinha do sul de Minas com pouco mais de 6 000 habitantes, erguida às sombras das ondulações da Serra do Papagaio, um dos contrafortes do maciço da Serra da Mantiqueira, no sul das Minas Gerais.

Por muitas décadas, Aiuruoca vive sob a influência da pecuária leiteira, embora suas origens remontamremontem à corrida do ouro das Minas Gerais. Um bandeirante paulista, de nome João Siqueira Afonso, transpôs os paredões da Mantiqueira e, em 1706, aos pés de um manjestosomajestoso pico de gnaise de formas arredondadas, fundou um arraial junto às minas recém descobertas que haviam ganhado o nome de Aiuruoca.

Esse acidente geográfico é o Pico do Papagaio, 2 100 metros de altitude, símbolo e o principal atrativo de Aiuruoca, cuja potencialidade para o turismo é considerada das mais promissoras de todo o estado de Minas.

O município integra dois importantes circuitos turísticos, o da Estrada Real e o Montanhas Mágicas de Minas, este também integrado pelos municípios vizinhos de Serranos, Seritinga, Carvalhos, Liberdade, Bocaina de Minas e Passa Vinte.

Acervo natural

A região acidentada de terrenos extremamente antigos onde está Aiuruoca, desvela inúmeras nascentes, corredeiras, cachoeiras, vales e trechos ainda preservados da exuberante Mata Atlântica, além de enclaves com lindas matas de Araucária.

Grande parte deste acervo natural está protegido dentro dos limites do Parque Estadual do Papagaio — unidade que ainda aguarda o zoneamento definitivo.

Aliás, mais da metade do território do município está dentro da Área de Proteção Ambiental (APA) da Serra da Mantiqueira. A área do parque é de 22.917 ha, e sua localização oficial “é na região do rebordo ao norte do Maciço do Itatiaia, alto rio Grande, no sul de Minas Gerais, abrangendo os municípios de Aiuruoca, Alagoa, Itamonte, Pouso Alto e Baependi, também inserido na APA da Mantiqueira”.

Diversas espécies de anfíbios, aves e mamíferos sobrevivem e se reproduzem dentro das fronteiras destas “montanhas mágicas” — com altitudes que variam entre 1 200m e 2 360m —, com destaque para o macaco sauá, o mono-carvoeiro, o papagaio de peito roxo, o urubu-rei, o lobo guará e a onça parda..

Pico do Papagaio e Matutu

Os passeios pela região podem começar pela conquista do Pico do Papagaio. Para chegar no seu topo e se deslumbrar- se com uma indescritível visão vista panorâmica espetacular, é prcisopreciso caminhar por cerca de três horas e meia, num percurso de nove quilômetros. É fundamental contar com a orientação de um guia local nesta aventura. Lá de cima, avista-se o Pico das Agulhas Negras ao sul, a Chapada das Perdizes ao norte e inúmeras elevações e cidades próximas como Baependi, Alagoa, Itamonte e Pouso Alto.

Outra referência importante do município de Aiuruoca é o Vale do Matutu (cabeceiras sagradas, em tupi-guarani), localizado a 18 km do centro da cidade. O lugar é famoso por abrigar uma comunidade ligada aos rituais do Santo Daime, que, aliás, atrai muitos visitantes do Brasil e do exterior.

Essa comunidade criou a Fundação Matutu em 1984, entidade cuja proposta é viabilizar a auto-sustentatabilidade numa vida em harmonia com a natureza, “criando condições para a realização espiritual, social e econômica de seus indivíduos e possibilitar a multiplicação dessa iniciativa”, informa o seu estatuto. Os integrantes da comunidade vivem numa área de 3 000 ha., desmembrada de uma antiga fazenda. Graças à competente administração desta porção de terra, onde a natureza é preservada, a Fundação Matutu conseguiu junto ao IBAMA a criação da APA, que faz divisa com o Parque Estadual do Papagaio.

O Matutu encanta pelas indescritíveis belezas naturais refletidas nos vários cursos d’águas que desabam em outras tantas cachoeiras — com destaque para a deslumbrante Cachoeira do Fundo, com 130 metros de queda. A paisagem do verdejante vale revela ainda as cachoeiras das Fadas e Três Marias e o irresistível Poço dos Maçados, execelenteexcelente para um reconfortante mergulho. É preciso lembrar que o Vale do Matutu também integra uma Reserva da Biosfera da Mata Atlântica por preservar esse valioso bioma.

O turista conta com boa infraestrutura de hospedagem, além de alimentação. O local que reúne todas as informações sobre o vale é o Casarão do Matutu, construção de 1904, onde pode-se comprar artesanato típico e contratar guias de turismo que programam os mais diversos passeios.

Vale dos Garcias

Um outro vale também faz a fama de Aiuruoca, o Vale dos Garcias, desenhado pelo serpentear do Ribeirão Papagaios, onde se chega pela Eestrada que dá acesso ao Parque Estadual Serra do Papagaio. O lugar abriga incontáveis quedas d’água, corredeiras e poços, como o conhecido Poço do Joaquim Bernardo e as cachoeiras da Esperança e do Tiziu e uma das mais quedas mais belas da região do sul de Minas, a Cachoeira dos Garcias. De águas límpidas e frias, a cachoeira encanta pelo seu formato e pela paisagem verdejandeverdejante da Mata Atlântica em volta. No caminho, os encantadores cenários do vale de todo o vale e região podem ser contemplados do alto de mirantes naturais, a maioria a quase 1 800 metros de altitude. É possível vislumbrar a imponência da Mata Atlântica entrecortada pelos magníficos campos rupestres que guardam raros exemplares da flora. Com um pouco de persistência e paciência, é possível visualizar algumasns espécimes da fauna, animais que correm livres e protegidos pelos planaltos de Aiuruoca.



Vista do Pico do Papagaio, 2 100 metros de altitude, símbolo e o principal atrativo de Aiuruoca, cuja potencialidade para o turismo é considerada das mais promissoras de todo o estado de Minas.

O Vale do Matutu encanta pelas indescritíveis belezas naturais refletidas nos vários cursos d’águas que desabam em outras tantas cachoeiras.

Casarão do Matutu, construção de 1904, onde pode-se comprar artesanato típico e contratar guias de turismo que programam os mais diversos passeios.

Grande parte do acervo natural do município está protegido dentro dos limites do Parque Estadual do Papagaio — unidade que ainda aguarda o zoneamento definitivo — e da Área de Proteção Ambiental (APA) da Serra da Mantiqueira.

A região acidentada de terrenos extremamente antigos onde está Aiuruoca, desvela inúmeras nascentes, corredeiras, cachoeiras, vales e trechos ainda preservados da exuberante Mata Atlântica, além de enclaves com lindas matas de Araucária. O Pico do Papagaio destaca-se na paisagem.

A deslumbrante Cachoeira do Garcia, que fica no vale de mesmo nome, outra grande atração para os amantes do ecoturismo.

O município de Aiuruoca historicamente tem a base de sua economia centrada na pecuária leiteira, mas a atividade turística já registra franco desenvolvimento.