10 anos/Festival Internacional de Gastronomia

Reportagem Cintia D'angelo
 
Painéis com chillis gigantes desenhados na entrada da cidade avisam que Tiradentes não é a mesma. Entre os dias 17 e 26 de agosto, ela se torna a capital da gastronomia brasileira. Pelas ruas, amantes da boa comida degustam produtos, participam de cursos, palestras, exposições, almoços e jantares. Além da programação oficial do festival, os restaurantes locais abrem as portas e preparam seus menus especiais. Tiradentes comemora uma década de  celebração  da gastronomia!


 
Hoje não é mais possível falar de Tiradentes sem se lembrar de seu Festival Internacional de Cultura e Gastronomia. Em 1998, o então secretário de Turismo, Ralph Justino, buscou dar visibilidade nacional a Tiradentes. Logo após a criação da Mostra de Cinema, em janeiro, surgiu a idéia do Festival Gastronômico. “Baseado na tradição da culinária mineira, pensamos em divulgar essa cultura para o mundo e trazer também a gastronomia internacional para Minas Gerais”, explica Ralph. Dez anos depois, essa idéia transformou-se em um excelente negócio.

Além do crescente número de patrocinadores e parceiros, o turismo, principal atividade econômica do município, é impulsionado nesse período. Para a proprietária da Pousada Pouso das Gerais, Vanda Gomes, o evento já se tornou uma referência. “As reservas são fechadas com muita antecedência e a ocupação é completa”, garante.  Além disso, segundo Wilma Resende, proprietária Pousada Coração Inconfidente, o público do festival é seleto e de maior poder aquisitivo.


Agenda movimentada

Para quem acorda cedo, a programação oferece palestras e cursos. Exposições de arte variadas e temáticas, como a de talheres e pratos gigantes, permanecem, durante a semana, espalhadas pela cidade. À tarde, o Largo das Forras é o ponto de encontro. Bares e restaurantes que cercam a praça têm ocupação máxima. Junto com a noite, chega o frio e é criado o cenário perfeito para vivenciar a alta gastronomia.

O público também pode conferir, na praça principal da cidade, outra receita que deu certo: o Botequim Oficial Comida Di Buteco. Uma tenda armada no Largo das Forras oferece petiscos premiados na edição 2007 a preços bem em conta. Quem passa tem a chance de ver cozinheiros prepararem paellas, vinagretes e risotos de dar água na boca. É impossível não sentir o aroma. Bandas de jazz agitam o público no Largo da Rodoviária.

 
Festim de sabores

Os jantares, chamados festins, são as grandes atrações do evento. Todos comem os mesmos pratos. A cada noite, cerca de 300 pessoas degustam aperitivo, entradas, primeiro prato, prato principal, pré-sobremesa e sobremesa.

As pousadas Pequena Tiradentes e a Vila Paulucci, onde são realizados os festins, dão charme especial e criam um clima de requinte e elegância para o momento. Salões amplos, linda decoração e luz de velas trazem todo o charme. Quando chegam os pratos, fica evidente o cuidado com a apresentação. As sensações de sabor e textura que se seguem são divinas.

Quem quiser conhecer a cozinha, pode ser um voluntário e fazer parte da equipe. Cerca de 20 pessoas, a cada festim, trabalham na preparação dos pratos. Os ajudantes chegam pela manhã, são os últimos a sair, não param nenhum minuto, mas afirmam que a experiência de se trabalhar com um chef renomado é mais do que válida. Em geral, as vagas são preenchidas por estudantes de gastronomia. “Não é fácil preparar o menu e servir tantas mesas juntas, mas é fantástico o fato de todos vivenciarem o mesmo sabor”, conta Anamaria Fonseca, voluntária do Festim Harmonizado Sabor e Saber. Para ela, trabalhar com o chef Alex Garés foi um grande aprendizado. “Além de aprender muito com profissionais que já conquistaram notoriedade, eu também fiz bastante contatos e amizades durante o período em que estive em Tiradentes. Afinal, a maioria das pessoas que trabalham com a gastronomia no país estão aqui”, diz Anamaria.


Culinária em festa

O crescimento notável do evento deve-se ao pioneirismo de se popularizar a alta gastronomia. “Esse tipo de evento era restrito a hotéis e grandes convenções. Fomos os primeiros a levá-los para a rua”, afirma Ralph. Outros motivos devem ser considerados, como o aumento de importadores de produtos alimentícios e bebidas, assim como o crescimento do mercado consumidor. A criação de faculdades de gastronomia e a valorização da culinária também são fatores marcantes. Tal exaltação é, em grande parte, vivida pelos homens, que buscam seu lugar à frente do fogão.

A grande novidade da edição 2007 foi o Projeto Sabor e Saber, que tem o objetivo de difundir a alta gastronomia da Catalunha, na Espanha, e proporcionar o intercâmbio entre as cozinhas mineira e catalã. Sete chefs internacionais foram convidados, entre os quais, Alex Garés e Montse Estruch. Garés é proprietário do restaurante Lasarte, que fica no Hotel Condes de Barcelona. “Graças ao Lasarte, fomos premiados com uma estrela pelo Guia Michelin, antes mesmo de completar um ano de funcionamento”, diz. Montse Estruch começou a cozinhar ao lado da mãe, na cozinha de um albergue no distrito barcelonês de Vacarisses. De lá para cá, passou por vários restaurantes e trabalhou com chefs prestigiados, mas afirma que sua maior referência profissional continua sendo sua mãe.

Este ano, a Arte Projeto Promoções uniu forças com a NS Eventos para realizar o festival. “A parceria contribuiu para melhorar a qualidade dos serviços e a parte visual”, revela Ralph. Para ele, a proposta para 2008 é “internacionalizar ainda mais o evento, trazer novos chefs e aprimorar a qualidade da comida e dos serviços, sempre com uma programação de alto nível”. O público agradece e conta nos dedos os dias para a próxima edição.



Tiradentes e o festival, gastronomia e incremento do turismo.


Cenário frenético que vivencia a alta gastronomia.

Os jantares, chamados festins, são as grandes atrações do eventos.


Festival e o Sabor e Saber, projeto de intercâmbio gastronômico entre Minas Gerais e Catalunha. Saiba mas