Ações em sete eixos

A profissionalização do turismo em Minas. Esta é, em síntese, a meta da Secretaria de Estado do Turismo de Minas Gerais para os próximos quatro anos. Para tanto, desde o início de 2007, a Secretaria de Turismo trabalha para sistematizar as informações e ações turísticas do Estado, visando ampliar a participação de Minas no mercado turístico brasileiro, com aumento de receita e renda para os municípios integrantes dos circuitos turísticos mineiros e da Estrada Real.

 
A primeira grande mudança na Secretaria de Estado de Turismo começou no início de 2007 com a migração de uma profissional do segmento privado para a pasta do Turismo em Minas. A secretária de Estado de Turismo, Érica Drumond, acredita que sua experiência profissional, à frente de grandes investimentos no setor de turismo em Minas por meio da rede de hotéis Ouro Minas, pode contribuir para o desenvolvimento da atividade turística no Estado.

Entre os pilares dessa ação governamental estão a reestruturação dos circuitos turísticos; o treinamento de pessoal; investimentos em infra-estrutura; difusão das informações; e acesso ao crédito. “Nosso objetivo é aprimorar o que já havia sido feito”, anuncia.

Com esta perspectiva, desde o início do ano a Secretaria de Estado do Turismo trabalha, simultaneamente, a partir de duas linhas de orientação: a Política de Regionalização do Ministério do Turismo e a Política de Fomento Estadual.

 
Reformulação dos circuitos

 Em atendimento à Política de Regionalização do Ministério do Turismo, a Secretaria de Estado do Turismo dará prioridade aos Circuitos Turísticos do Estado. Mas haverá mudanças. Até o momento, são 53 circuitos turísticos mapeados e 33 certificados. Além da necessidade de preparação dos roteiros ainda não certificados, a Secretaria também trabalha para melhor segmentação desses roteiros.  

“Existem municípios que hoje integram até dois roteiros e nós vamos refazer esses circuitos. Um município passará a integrar apenas um circuito, para que haja adequação ao Plano Nacional de Turismo”, explica, ressaltando que a iniciativa dará a oportunidade para que cada município consiga ser mapeado dentro de suas necessidades, descentralizando a política pública de turismo.

 
Os sete eixos

 Na perspectiva da política de fomento estadual, a Secretaria de Estado do Turismo começa a implementar suas ações, visando a ampliar a  participação de Minas no mercado turístico brasileiro. Este trabalho, denominado Turismo de Minas, já está sendo desenvolvido a partir de sete grandes eixos.

O primeiro deles é justamente o de Roteirização, que dará suporte ao Estado para integrar a Política de Regionalização do Ministério do Turismo. Nessa primeira fase, será feita uma análise da oferta turística em Minas Gerais, o que pode significar a reformulação ou implantação de roteiros.

Primeiramente, serão elencados e levados à promoção aqueles roteiros mais estruturados, que podem ser assimilados com maior rapidez pelo mercado e com preços de comercialização compatíveis com o mercado nacional e internacional. “Quem está competitivo, ajudaremos a comercializar; os que ainda não estão, orientaremos para que fiquem”, afirmou a secretária.

Os demais municípios não incluídos nessa primeira fase de roteirização e promoção também serão contemplados pela política pública estadual. A Secretaria de Turismo fará um mapeamento desses municípios considerando-se suas necessidades de infra-estrutura, incluindo saneamento básico, plano-diretor. A partir desse mapeamento serão dirigidas ações visando a qualificar esses municípios para o desenvolvimento da atividade turística.

O segundo eixo de trabalho é um levantamento mais específico. Consiste no incremento dos inventários da oferta turística de cada município, destacando seus principais atrativos, malha hoteleira e infra-estrutura de serviços turísticos. A iniciativa tem como objetivo construir uma base de dados que norteie o planejamento do turismo em Minas Gerais. Além do cuidado com a infra-estrutura urbana e turística, a Secretaria de Turismo também vai investir no atendimento ao turista. O terceiro eixo do trabalho, chamado de Plano Emergencial 2007, prevê a melhoria da qualificação do serviço turístico.

Trata-se de uma jornada de visitas técnicas para qualificação de serviços turísticos, que será implementada simultaneamente às ações de comercialização e promoção. “Vamos montar os roteiros com os destinos mais preparados e levá-los para as feiras. Nesse momento, os municípios serão visitados pela Secretaria para treinar mão-de-obra e fazer investimentos”, completa. Com esta ação, espera-se dotar os circuitos turísticos promovidos pelo Estado de recursos humanos e materiais para recepcionar o turista.

O quarto eixo também dá suporte à recepção do turista. Trata-se da criação de Postos de Informação e Referência Turística. A proposta vai muito além de meros centros de informação turística. “A Secretaria quer investir”, anuncia Érica Drumond. Segundo ela, esses espaços devem estar preparados para ampliar a oferta de serviços aos turistas, motivando-os à visitação e ao consumo dos produtos e serviços turísticos de determinada região.

Entre estes serviços, destaca-se a criação de infra-estrutura dotada de mais comodidade e recursos, incluindo um computador, através do qual o turista pode ter acesso ao portal turístico do Estado, com informações qualificadas sobre os atrativos turísticos e serviços complementares. “Precisamos criar uma estrutura tecnológica, com profissional apto a estender a permanência do turista em Minas Gerais”.

O quinto eixo de trabalho é justamente incrementar a principal atividade da Secretaria de Turismo: promoção, marketing e apoio à comercialização. Depois de mapeados os roteiros, será feito um trabalho de divulgação dos atrativos turísticos dos municípios mineiros para que sejam levados aos grandes mercados.

O sexto eixo de trabalho complementa a proposta de promoção dos municípios mineiros por meio da divulgação dos produtos de cada região. Através da “Casa de Minas em São Paulo — um caminho para Estrada Real”, em fase de implantação, espera-se divulgar os produtos de Minas, gerando frutos para a atividade turística no Estado. A expectativa é que os consumidores desses produtos sejam estimulados a visitarem as regiões produtoras.

 
Recursos para o setor

A sétima e última linha de ação da Secretaria de Estado do Turismo são o fomento e o acesso ao crédito. Para tanto, com o apoio do Ministério do Turismo, está sendo feito um levantamento de todas as linhas de crédito que possam beneficiar o segmento.  “Vamos negociar o que estiver no âmbito estadual e buscar outros meios para que o pequeno empresário possa investir e contribuir para o desenvolvimento da atividade turística no Estado.”

Mas além de buscar linhas de crédito mais favoráveis para o segmento turístico, a Secretaria de Turismo também objetiva a descentralização dos recursos. A proposta é criar condições para que um maior número de pequenos empresários, de todas as regiões do Estado, possam ter acesso ao crédito e desenvolver melhores empreendimentos turísticos. “Esperamos que esse empresário receba não apenas a nossa motivação, mas também um caminho para melhorar sua empresa e nos ajudar na geração de emprego e renda”.

Para tanto, a Secretaria de Turismo agora investe no suporte ao pequeno empresário, por meio de uma assessoria técnica. A preocupação é justificada. Muitas vezes, determinados projetos não conseguem os recursos necessários por questões meramente técnicas. “Agora, a Secretaria não reprova mais o projeto. Entra com a parte técnica para que o empresário consiga elaborar um projeto tecnicamente correto visando à sua aprovação”.

O Fórum Estadual de Turismo foi criado para atender a essa finalidade. “Assim que um projeto de um município for aprovado por este fórum, caberá à Secretaria de Turismo procurar os recursos e encaminhá-los”, explica. As expectativas são positivas. Na avaliação de Érica Drumond, a política pública está pronta. “Agora precisamos realmente atuar com a velocidade do setor privado para implementar essas ações de interesse público”.