Grande Sertão: Veredas

Por
Orlando Bianchini
Fotos
Roberto Murta

Travessia. Para Guimarães Rosa, a última palavra de Grande Sertão: Veredas desvela o sentido maior da vida (ou do sertão): viagem, itinerário.

Mestre não é quem ensina, mas quem de repente aprende.

Existe o olho que vê as coisas, o real; e a alma, que suspeita de um real além, acima das aparências das coisas; terceira margem de rio.

É, e não é. O senhor ache e não ache.
Tudo é, e não é …

O sertão “sem lugar”, “que está em toda parte”, que é “do tamanho e maior que o mundo”, não é apenas paisagem para se olhar, mas uma grande metáfora da luta entre as forças do bem e do mal, entre Deus e o Demônio, entre os claros e escuros do homem, tudo um tanto indistinto, misturado, impreciso.

Tem horas em que penso que a gente carecia, de repente, de acordar de uma espécie de encanto. As pessoas e as coisas não são de verdade! É de que é que, a mi
úde, a gente adverte incertas saudades?

Percorrer o sertão, ver — mas não acreditar demais —, perguntar sempre, mesmo que a resposta se oculte, esse é o convite para uma reveladora viagem.

Eu atravesso as coisas e no meio da travessia não vejo! Só estava era entretido na idéia dos lugares de saída e de chegada. Assaz o senhor sabe: a gente quer passar um rio a nado, e passa; mas vai dar a outra banda é um ponto muito mais em baixo, bem diverso do que em primeiro se pensou. Viver nem não é muito perigoso?






Em Diadorim penso também —
mas Diadorim é a minha neblina.














Me alembro, meu é. Ver belo:
o céu poente de sol, de tardinha, a roséia daquela cor.
E lá é cimo alto: pintassilgo gosta daquelas friagens.
Cantam que sim.









Alto eu disse no meu despedir:
— “Minha Senhora Dona: um menino nasceu
— e o mundo tornou a começar!"
— e sair para as luas.







Mas eu gostava de Diadorim para poder
saber que estes gerais são formosos.













Mas a água só é limpa é nas cabeceiras.
O mal e o bem estão é em quem faz;
não no efeito que dão.
O sertão é uma espera enorme.













O sertão é uma espera enorme.















Deus é uma plantação.
A gente — é as areias.









O gerais corre em volta.
Esses gerais são sem tamanho.
Enfim, cada um o que quer aprova, o senhor sabe:
pãos ou pães é questão de opiniães…
o sertão está em toda parte.













Quieto, muito quieto é que a gente chama o amor:
como em quieto as coisas chamam a gente.