Turismo de Aventura / Ecoturismo

Por Mariana Lage

Por todos os cantos de Minas e do mundo  

Incrível jornada pedalando uma bicicleta por  35.000 km e 27 países percorridos. As bicicletas também foram utilizadas para uma importante viagem por 700 km da Estrada Real entre Ouro Preto e Paraty. Saiba como viajar para Machu

Revista Sagarana

Uma das atracoes do roteiro é a Trilha Inca, 
com visitações ao Lago Titicaca.

Picchu, pela Chapada dos Viadeiros (GO), por Bonito (MS), pelo Grande Sertão Veredas e pela Serra do Caparaó. Confira os roteiros das operadoras de ecoturismo Brasil Aventuras, Terra Nossa e Andarilhos da Luz.

Grandes aventuras
Arquiteto mineiro percorre 35 mil quilômetros 
de bicicleta por 27 países.

Partindo de Cordisburgo, o arquiteto Argus Caruso Saturnino, 30 anos, pedalou durante três anos e percorreu mais de 35 mil quilômetros, visitando 27 países: Bolívia, Peru, Austrália, Timor Leste, Indonésia, Malásia, Tailândia, Laos, Camboja, Índia, Nepal, Irã, Turquia, Síria, Líbano, Jordânia, Egito, Grécia, Itália, França, Inglaterra, Eslovênia, Croácia, Hungria, Romênia, Quênia e Tanzânia.

Revista Sagarana

Argus Saturnino Saturnino escolheu o percurso priorizando as regiões 
e rotas históricas.  

Dividido em sete etapas, a proposta do arquiteto mineiro de cruzar o mundo sob duas rodas foi concluído em fins de fevereiro e faz parte do projeto “Pedalando e Educando”,  de educação a distância, que alia a aventura e o incentivo ao aprendizado.

Utilizando a internet, o aventureiro enviou às escolas cadastradas material didático, fotos e  relatos da aventura. Argus Saturnino escolheu o percurso priorizando as regiões e rotas 

históricas – como a Estrada Real, as Rotas Incas, da Companhia das Índias Orientais, das Caravanas do Império Romano e da expansão do mundo islâmico –, que potencializam o interesse por disciplinas como história e geografia, além  ampliar os conhecimentos gerais dos estudantes.

“O interesse dos estudantes me estimulou a unir aventura e educação na minha viagem de volta ao mundo. O projeto de educação foi o grande combustível mental da aventura”, argumenta.  

Num diário virtual, Argus registrou informações históricas e geográficas sobre os locais visitados e relatórios do dia-a-dia da viagem. 
É possível ler suas anotações no endereço www.pedalandoeeducando.com.br  

Revista Sagarana

Argus registrou informações históricas e geográficas sobre os locais visitados e relatórios do dia-a-dia da viagem.  

A próxima etapa é a compilação do material em forma de livro. “Grande parte das escolas não tem acesso à internet e somente levando o livro ou fazendo visitas o projeto conseguirá alcançá-las”, justifica. “Quero produzir este livro e visitar pessoalmente escolas de todo o Brasil”.  
Revista Sagarana

Os ciclistas em Paraty (RJ)  

Ciclistas  desbravam a Estrada Real
Quatro aventureiros percorrem o Caminho Velho entre Ouro Preto e Paraty para viabilizar roteiros de cicloturismo.

Com o objetivo de desenvolver e estudar a viabilidade de roteiros de cicloturismo na Estrada Real, um grupo de quatro ciclistas percorreu os 700 km que ligam Ouro Preto a Paraty, no Rio 

de Janeiro. Durante duas semanas, a equipe – formada pelo publicitário Ricardo Luciano Dias, 30, pelo operador de turismo Carlos Hiran Oliveira, 24, pelo analista de sistemas Tyrone Menezes Loiola, 27, e pelo artesão Cristiano Werneck, 26 – pedalou 50 quilômetros por dia, visitando 20 municípios de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro.

O levantamento priorizou a análise de aspectos como presença de acostamento nas estradas, sinalizações de trânsito e turística, oficinas para manutenção de bicicletas, restaurantes, pousadas, hotéis, pontos turísticos, condições de segurança e a situação dos acervos históricos e ecológicos.

Foi pensando no crescente número de turistas interessados em cicloturismo e, conseqüentemente, em sua segurança que o Instituto Terrazul, a Asa Comunicação e a Gerais Ecoaventuras realizaram a Expedição Trilha Real ao longo do Caminho Velho.

Além de revelar parte da história, cultura e belezas naturais e levantar dados sobre a infra-estrutura turística do percurso, a expedição destaca a importância do investimento em turismo ao longo da Estrada Real. Desde a implantação do projeto, as cidades têm trabalhado na qualificação de mão-de-obra, informação da população e estruturação dos municípios e vilas. A cidade de Luminária, por exemplo, destino bastante elogiado pela expedição, quadruplicou o numero de pousadas, restaurantes e supermercados, apesar de não integrar o roteiro oficial da Estrada Real.  

O analista de sistemas Tyrone Menezes, integrante da equipe, afirma que houve uma melhora na infra-estrutura turística das cidades em relação à sua última viagem pelo trecho, há dois anos. “É uma prova de que os municípios estão se movimentando no sentido de adequar suas infra-estruturas para o crescente fluxo de turistas”, justifica.  

O presidente do Instituto Terrazul, Américo Antunes, analisa osresultados da Expedição

Revista Sagarana

A expedição comprovou a importância do investimento 
em turismo ao longo 
da Estrada Real.

Trilha Real: “A iniciativa é mais uma das ações realizadas pela ONG com o objetivo de contribuir no mapeamento e na divulgação de rotas coloniais históricas brasileiras. E a receptividade das autoridades e das comunidades, algumas delas entregando as chaves das cidades e desfilando com os ciclistas pelas ruas, comprova o grande interesse dos municípios nos roteiros turísticos da Estrada Real”. 

O diário de viagem dos ciclistas pode ser acessado pelo site www.terrazul.org.br

Revista Sagarana

A cidade inca
de Machu Picchu

Andarilhos da Luz  
Expedição à Cidade Perdida

A agência de ecoturismo Andarilhos da Luz programou para julho deste ano uma expedição a Machu Picchu. principal atração do roteiro é a Trilha Inca, com visitações ao Lago Titicaca, a sítios arqueológicos, catedrais e cidades vizinhas. Faz parte da programação uma   

palestra informativa sobre a expedição, onde será possível conhecer mais detalhadamente a cultura inca e pré-colombiana, além de obter outras informações como o que levar, preparações e condicionamento necessário, valores de pacotes e realização de reservas, dentre outros.

A caminhada da Trilha Inca até a cidade sagrada de Machu Picchu tem 46 km de extensão, e não é de fácil execução, envolvendo constantes subidas, descidas e efeitos da altitude, que pode chegar a mais de 4 mil metros. Ao longo do caminho, podem ser percebidas ricas simbologias e demonstrações da relação estabelecida pelos incas com a natureza.

“Fazer a Trilha Inca não é simplesmente fazer uma longa caminhada em um lugar exótico, mas é ter a oportunidade de realizar o mais puro sentido da palavra peregrinação, feita sem alarde, com contentamento e desenvolvimento interior”, escreve Marcus Pavani, sócio-proprietário da agência Andarilhos da Luz.

A cidade de Machu Picchu, a aproximadamente 150 km de Cuzco, no Peru, representa a cultura de uma civilização, extremamente rica e desenvolvida, exterminada pela colonização espanhola. As ruínas da capital sagrada do Império Inca, descobertas em 1911, são conhecidas não só por sua beleza e importância histórica, mas também por sua suposta energia cósmica.  

Informações:  
(31) 3494 2727  

www.andarilhodaluz.com.br
 

andarilhodaluz@terra.com.br  

Brasil Aventuras
Grande viagem pelo Sertão 
de Guimarães Rosa

O Parque Nacional Grande Sertão Veredas, criado em 1989, abrange uma área de 231 mil hectares, na divisa dos estados de Minas Gerais e Bahia. Localizado nos municípios de Formoso, Arinos, Januária, São Francisco e Chapada Gaúcha, a reserva constitui um

Revista Sagarana

A área do Parque Grande Sertão Veredas foi ampliada em 150 mil hectares.  

dos maiores parques nacionais do Cerrado. No ano passado, negociações entre o Ministério do Meio Ambiente, a Casa Civil e o Governo da Bahia ampliaram a área da reserva em 150 mil hectares – o que preservou um espaço maior para o bioma denominado por Guimarães Rosa como aquele que “está em toda parte”.

Além do Cerrado, o parque possui uma área de transição com a caatinga e com parte do planalto denominada Chapadão Central, que divide as bacias dos rios São Francisco e Tocantins.

Fazendo jus à exuberância do parque e de seus arredores, a Brasil Aventuras Expedições formulou um roteiro de sete dias e com saídas bimestrais. Suas principais atrações são a comunidade do Buraco, almoço em casa de famílias da região, pernoites na Grota da Raposa, trekkings à cachoeira do Rio Claro e ao Parque Estadual da Serra das Araras. Do topo do parque, pode-se ter uma vista panorâmica de toda a planície do São Francisco. O trekking mais prolongado da expedição tem duração de duas horas, que são recompensadas pelos 30 metros de altura da majestosa Cachoeira do Costa.

O roteiro inclui ainda uma visita à nascente do Rio Cariranha – um dos rios mais importantes da divisa dos estados de Minas e Bahia –, uma das regiões mais inexploradas do sertão e à Cachoeira da Mata Grande, a única dentro do parque. Os viajantes terão como companhias aves, veredas e alguns mamíferos, como o veado campeiro, o lobo-guará, a raposa e o tamanduá, entre outros.

Informações: 31 3284-9828
www.brasilaventuras.com.br

Revista Sagarana

A presença de vários rios 
em Bonito possibilita a formação de verdadeiros aquários naturais.  

Terra Nossa Viagens Ecológicas
Os encantos de Bonito (MS)

A região de Bonito, no Mato Grosso do Sul, visitada por aproximadamente 70 mil pessoas por ano, vem se mostrado como referência nacional de práticas corretas no ecoturismo. Devido a esse aumento de visitações, o turismo é responsável por 70% dos empregos gerados na região.

Localizado na encosta da Serra da Bodoquena, o município de Bonito possui uma riqueza hidrográfica particular que apresenta associações com rochas calcárias. Por isso, a região é recheada de rios subterrâneos, sumidouros e ressurgências. A presença do calcário contribui para a precipitação de partículas em suspensão para o fundo dos leitos, tornando as águas dos rios ainda mais cristalinas. Pertencente à Bacia Hidrográfica do Rio Paraguai e Sub-bacia do Miranda, Bonito é uma cidade onde a presença de vários rios possibilita a formação de verdadeiros aquários naturais.

O roteiro elaborado pela Terra Nossa Viagens Ecológicas para julho inclui todo tipo de esporte de aventura. Serão nove dias de passeios dedicados a trekkings pelas diversas cachoeiras das proximidades, mergulho superficial, rafting no Rio Formoso, além de uma programação opcional, que inclui rapel e mergulho em cavernas, para aqueles que querem mais aventuras. 

Num território imensamente rico, os visitantes podem apreciar verdadeiros espetáculos de beleza, como o Aquário Natural, a Estância Mimosa, as grutas do Lago Azul e do Mimoso, o Rio Sucuri, o Recanto Ecológico do Rio da Prata e o Parque das Cachoeiras, que engloba seis cachoeiras com acesso através de trilha rústica com mais de 2 mil metros de extensão por meio da mata ciliar, onde se pode observar a vegetação e fauna nativas.  

Terra Nossa Viagens Ecológicas
A “energia cósmica” 
da Chapada dos Veadeiros

No meio do cerrado goiano, a 230 km de Brasília, há um lugar conhecido por sua “energia cósmica” e pelas cachoeiras, cânions, trilhas e paisagens de tirar o fôlego, atraindo tanto turistas de aventura quanto pessoas místicas. De uma beleza extraordinária, a Chapada dos Veadeiros possui o mais antigo patrimônio

Revista Sagarana

A Chapada dos Veadeiros possui o mais antigo patrimônio geológico do continente.  

geológico do continente, uma imensa placa de cristal de quartzo chamada Arai, formada há 1,8 bilhões de anos. Segundo dados da Nasa, a Chapada é o ponto de maior luminosidade visto da órbita da Terra.

O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros também é referência da preservação do meio ambiente e da natureza ainda não degradada pelo homem, graças ao esforço do IBAMA, entidades ambientalistas, população e da administração pública local. Pertencente ao município de Alto Paraíso, a área protegida pelo parque abrange mais de 60 mil hectares. A vila mais próxima à reserva é a comunidade de São Jorge, formada por muitos ex-garimpeiros que, após a proibição de exploração na região, tornaram-se guias turísticos.

Conhecida por seus cânions de enormes dimensões, a Chapada abriga também cachoeiras, minas de cristal, campos de flores, mamíferos em extinção, paredões rochosos, minigrutas e piscinas naturais de águas cristalinas e de cor castanha devido à alta concentração de óxido de ferro.

Fora dos limites do parque, é possível ter acesso a propriedades particulares, abertas ao público, localizadas ao longo dos córregos São Miguel e Raizama e o Rio Tocantinzinho. Também ali pode-se conhecer paisagens como o exótico Vale da Lua, salto do Raizama, a Morada do Sol, o Vale Encantado e o cânion do Tocantinzinho.

Com o intuito de realizar uma visita que seja capaz de apreciar toda a potencialidade do parque, o roteiro preparado pela Terra Nossa Viagens Ecológicas explora principalmente os trekkings em direção às diversas cachoeiras da região. Como a administração do parque proíbe a prática de esportes de aventura dentro da área protegida, a agência preparou passeio também nas áreas circunvizinhas. O pacote inclui ainda hospedagem nas duas cidades vizinhas ao parque: São Jorge, situada na entrada da reserva, e Alto Paraíso, há mais ou menos 100 km de distância.

Informações  
(31) 3241 6161
www.terranossa.com

Revista Sagarana

Cipoeiro Expedições:
trekking orientado com bússola e planilha  com atividades como a ponte tibetana.

Cipoeiro Expedições
Circuito de aventuras na Serra do Cipó

A agência de turismo de aventura Cipoeiro Expedições desenvolve roteiros exclusivos no Parque Nacional da Serra do Cipó. Com o intuito de possibilitar aos aventureiros uma prática mais completa e integrada das atividades na região, a agência desenvolveu um roteiro denominado Circuito de Aventura, que  começa com a 

prática de trekking orientado com bússola e planilha, e conta com outras atividades, como a ponte tibetana, canoagem em canoa canadense e tirolesa. Com duração média de quatro horas, o percurso tem grau de dificuldade da expedição moderado. A trilha a ser percorrida é de quatro quilômetros. Ao final do trekking, é organizada uma prática de rapel no Morro da Pedreira, com 26 metros de extensão.

A expedição é direcionada para todas as idades, com saídas diárias.  

Informações:
(31) 3718 7303 e  9611 8878
www.cipoeiro.com.br

Brasil Aventuras
Trilhas pelo Parque Nacional do Caparaó

O roteiro da Brasil Aventuras Expedições ao Parque Nacional do Caparaó é recheado de atrações. Localizada entre os estados de Minas Gerais e Espírito Santo, a Serra do Caparó apresenta um relevo fortemente ondulado e grande variação de altitude –  de 997 a 2890 metros – abrigando inúmeras cachoeiras,

Revista Sagarana

A Serra do Caparaó se 
revela com uma paisagem de grande biodiversidade.

grutas, trilhas, mirantes e poços de águas cristalinas em várias corredeiras formadas pelos rios que descem das serras. Esse cenário forma um conjunto irresistível para os adeptos do montanhismo.

Tendo como atração principal o Pico da Bandeira e o Pico do Cristal, o terceiro e o sexto pontos mais altos do país, esse roteiro inclui visitas às corredeiras do rio da Pedra Roxa, às cachoeiras Três Pilões, da Farofa, do Aurélio e das Andorinhas, além de trekking ao Vale Verde,  ao Vale Encantado e à Cachoeira Bonita, a maior da região, com 80 metros de queda. Durante a expedição, é possível apreciar um maravilhoso pôr-do-sol na Troqueira.

Com temperaturas que variam de 8 a 20ºC,  equipamentos e agasalhos corretos são indispensáveis para enfrentar o frio noturno do parque. Embora o nível de dificuldade da expedição seja médio, não é necessário ter experiência, embora bom condicionamento físico e disposição sejam requisitos indispensáveis.

Tendo a Mata Atlântica e os Campos de Altitude como vegetação predominante, a serra se revela com uma paisagem de grande biodiversidade, preservando várias espécies endêmicas. A região é caracterizada também por uma rica rede hídrica, com várias nascentes formando riachos, corredeiras, lagos e piscinas naturais com águas puras e cristalinas.

Voltar ao Topo